Logo
Virou notícia, virou Tag!

Mauro Cid vai confessar que vendeu joias e deu dinheiro em espécie a Bolsonaro, diz advogado

Ex-oficial alega ter vendido joias presidenciais por ordem de Bolsonaro: Advogado revela depoimento surpreendente

Facebook
Twitter
LinkedIn
Bolsonaro sabia das fraudes no cartão
Bolsonaro sabia das fraudes no cartão

O advogado Cezar Bittencourt, representando o ex-auxiliar Mauro Cid, fez uma revelação significativa na quinta-feira, 17 de agosto. Bittencourt afirmou que seu cliente testemunhará ter vendido joias presidenciais nos Estados Unidos sob a direção de Jair Bolsonaro, entregando o valor em espécie diretamente ao ex-presidente.

Inicialmente divulgada pela revista Veja, a revelação foi confirmada por Bittencourt em uma conversa exclusiva com a TV Globo.

Leia também: Na CPI, hacker confessa que Bolsonaro lhe assegurou de indulto e entrega ex-presidente

Desde sua prisão em maio, Cid, um ex-figura proeminente no círculo íntimo de Bolsonaro durante seu mandato presidencial, encontra-se detido.

Assumindo a defesa legal de Cid recentemente, na terça-feira, 15 de agosto, Cezar Bittencourt é o terceiro advogado a representar Cid desde sua prisão. Em uma entrevista recente à GloboNews nesta semana, Bittencourt já havia indicado que Cid estava meramente agindo sob ordens.

A Saga das Joias

Investigações recentes da Polícia Federal lançaram luz sobre as intrincadas transações envolvendo as joias e presentes apresentados a Jair Bolsonaro, com as transações aparentemente tendo origem nos Estados Unidos a partir de junho de 2022.

Naquele mês, a equipe de Mauro Cid formalmente solicitou uma lista abrangente de relógios presenteados à Presidência até aquele momento no mandato de Jair Bolsonaro, junto ao Escritório de Documentação Histórica.

No dia 2 de junho, um auxiliar recebeu a lista solicitada, composta por 37 itens, cada um com detalhes do fabricante.

Apenas quatro dias depois, Mauro Cid recuperou um conjunto de joias, incluindo um relógio Rolex de ouro branco, um anel, abotoaduras e um rosário islâmico. Essa coleção havia sido apresentada a Bolsonaro durante uma viagem oficial à Arábia Saudita em outubro de 2019, e foi retirada dos arquivos.

As alegações de Cid certamente trouxeram uma nova dimensão à narrativa em desenvolvimento, criando ondas de intriga nas plataformas de mídia nacional. Conforme os procedimentos legais evoluem, essas revelações têm o potencial de remodelar as percepções públicas do mandato do ex-presidente.

Daniel Vicente
Daniel Vicente
Sou um entusiasta da informação, natural de Brasília. Atualmente, mergulho nos estudos de Ciências Políticas. Aqui, você encontrará análises aprofundadas sobre política, economia e assuntos globais. Vamos explorar juntos o vasto universo do conhecimento!