Logo
Virou notícia, virou Tag!

Mauro Cid tentou vender relógio de luxo dado a Bolsonaro em viagem

Mauro Cid tentou vender Rolex

Facebook
Twitter
LinkedIn
Tenente-coronel Mauro César Barbosa Cid em depoimento à CPMI do 8 de janeiro Foto: Roque de Sá/Agência Senado
Tenente-coronel Mauro César Barbosa Cid em depoimento à CPMI do 8 de janeiro Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), envolve-se em polêmica ao tentar vender um relógio de luxo recebido em uma viagem oficial ao Reino da Arábia Saudita. Documentos obtidos pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de janeiro revelam essa tentativa de comercialização.

Leia também: Governo Lula bloqueia verba para alfabetização, transporte escolar e bolsas de estudo

Através de troca de e-mails, um interlocutor responde a Mauro Cid agradecendo pelo interesse em vender o relógio e questiona se a peça possui certificado de garantia original. O remetente informa que o mercado para relógios da marca Rolex usados está em baixa devido ao elevado valor de produção.

Cid responde que não possui o certificado, uma vez que o relógio foi recebido como presente em viagem oficial, mas garante que a peça nunca foi utilizada e estima seu valor em US$ 60 mil (quase R$ 300 mil pela cotação atual do dólar).

PF prende Mauro Cid, ex-ajudante de Bolsonaro, e faz buscas na casa do ex-presidente
PF prende Mauro Cid, ex-ajudante de Bolsonaro, e faz buscas na casa do ex-presidente

O relógio em questão é da prestigiada marca Rolex, sendo um modelo Oyster Perpetual Day Date em ouro branco, platina e diamantes, com uma pulseira modelo Presidente, além de uma caixa em madrepérola e diamantes.

Segundo registros do Gabinete Adjunto de Documentação Histórica, também obtidos pela CPMI, o relógio foi oferecido pelo rei Salman Bin Abdulaziz al Saud, da Arábia Saudita, durante a visita oficial ocorrida em outubro de 2019.

A investigação continua à procura de detalhes ainda não esclarecidos pela troca de e-mails. As mensagens não revelam a identidade do interlocutor que intermediaria a venda, e não há indicações se a conversa progrediu para concluir a negociação ou se foi descartada.

Vale ressaltar que os conteúdos dos e-mails não citam explicitamente o ex-presidente Jair Bolsonaro e não fornecem indícios de que a troca esteja sendo feita em nome do mandatário.

É importante mencionar que, durante essa viagem, a comitiva presidencial recebeu dois conjuntos de joias: um em ouro rose da marca Chopard, composto por um rosário árabe, um relógio com pulseira de couro, um par de abotoaduras, uma caneta rose gold e um anel; o outro conjunto composto por um colar, um anel, um relógio e um par de brincos de diamantes.

Daniel Vicente
Daniel Vicente
Sou um entusiasta da informação, natural de Brasília. Atualmente, mergulho nos estudos de Ciências Políticas. Aqui, você encontrará análises aprofundadas sobre política, economia e assuntos globais. Vamos explorar juntos o vasto universo do conhecimento!