Campanha Junho Laranja alerta para os sintomas da leucemia

Popularmente conhecida como “câncer no sangue”, em fases iniciais a doença pode apresentar sinais inespecíficos, que se confundem com situações do cotidiano; avaliação com especialista é fundamental
saúde

A leucemia é um tipo de câncer que afeta a produção de células sanguíneas na medula óssea, especificamente os glóbulos brancos, essenciais para a defesa do organismo. Costuma afetar ainda a produção das outras séries do sangue como os glóbulos vermelhos e plaquetas.

Leia também: Dia Internacional do Yoga: 5 benefícios desta prática para o seu bem-estar

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a estimativa é de 11,5 mil novos casos de leucemia por ano no Brasil durante o período de 2023 a 2025.

A doença compromete a capacidade do corpo de combater infecções, o que torna seu diagnóstico precoce fundamental para aumentar as chances de tratamento bem-sucedido.

Um ponto de atenção é justamente a identificação dos sintomas, que em muitos casos são inespecíficos e podem ser confundidos com condições comuns do dia a dia.

“São situações como cansaço extremo ao realizar pequenas tarefas, palidez, sangramentos frequentes, especialmente na gengiva ou nariz, aparecimento de manchas roxas espontâneas na pele (equimoses), perda de peso repentina e infecções recorrentes”, explica Pedro Neffá, hematologista do Hospital São Luiz Itaim, da Rede D’Or.

Nos casos agudos, há uma notável redução dos glóbulos vermelhos (anemia) e das plaquetas. “Identificar esses sinais rapidamente e buscar avaliação médica é crucial para um diagnóstico precoce, que aumenta as chances de um tratamento eficaz e melhora do prognóstico dos casos”, enfatiza Pedro.

O alerta acontece em meio à campanha Junho Laranja, uma iniciativa de conscientização sobre doenças hematológicas, com foco especial em anemia e leucemia.

Siga a gente no Google News para ficar por dentro das últimas notícias!

A leucemia é classificada em pelo menos quatro tipos principais, afetando todas as idades. A leucemia linfoblástica aguda é mais comum em crianças, enquanto a leucemia mieloide aguda geralmente afeta adultos entre 50 e 60 anos.

Já a anemia é uma condição caracterizada pela deficiência de glóbulos vermelhos saudáveis ou de hemoglobina no sangue. “A hemoglobina é a proteína nos glóbulos vermelhos responsável por transportar oxigênio dos pulmões para o resto do corpo. Quando uma pessoa tem anemia, seu corpo não recebe oxigênio suficiente, o que pode levar a diversos sintomas e complicações de saúde”, explica o hematologista.

A condição pode ser causada por fatores como deficiência de ferro ou vitaminas, doenças crônicas, perda de sangue, distúrbios da medula óssea, entre outras, e o tratamento varia de acordo com a causa identificada.

Diagnóstico e Tratamento

O diagnóstico inicial da leucemia é realizado através de exames de sangue, principalmente o hemograma. “A confirmação da doença é feita por meio da punção da medula óssea, onde colhemos amostras para exames detalhados que nos ajudam a classificar a leucemia e definir a melhor abordagem terapêutica”, explica o especialista do São Luiz Itaim.

O hospital, localizado na zona sul de São Paulo, oferece um atendimento integrado com profissionais especializados no diagnóstico e tratamento do câncer, dispondo de uma infraestrutura completa, com serviço de transplante de medula óssea autólogo.

Receba nossas notícias em tempo real no whatsapp

O tratamento da leucemia inclui combinações de quimioterapia que podem ser administradas por via oral ou injetavel, juntamente com suporte clínico, hemotransfusões e uso de antibióticos. Para pacientes com maior risco de recidiva, o transplante de medula óssea é uma opção, podendo o doador ser um familiar ou um voluntário do banco nacional.

“Nos últimos anos, tivemos avanços significativos no tratamento da leucemia, com novos medicamentos que reduziram os efeitos colaterais e melhoraram os resultados. A nova terapia com células T quiméricas, conhecida como Car-T Cells, aprovada para leucemia linfoblástica aguda, apresenta resultados promissores, especialmente para pacientes mais jovens”, conclui o hematologista.

Sarah Oliveira
Sarah Oliveira

Uma amante das palavras em uma jornada incessante de descoberta. Originária de São Paulo, encontro nas nuances da linguagem minha paixão. Com formação em Comunicação, tenho o prazer de guiar você pelos intrincados caminhos das notícias, oferecendo uma perspectiva única sobre o que acontece no Brasil e no mundo.

Artigos: 2075

Deixe um comentário