Logo
Virou notícia, virou Tag!

Xuxa é chamada de ‘Barbie brasileira’ por The New York Times que questiona padrões de beleza

Xuxa recebe destaque no The New York Times por questionar normas de beleza

Facebook
Twitter
LinkedIn
Matéria traz à tona polêmicas reveladas em "Xuxa - O Documentário" (2023), sobretudo no que diz respeito aos padrões de beleza endossados por Xuxa, na época de seu auge na TV. Foto: Blad Meneghel
Matéria traz à tona polêmicas reveladas em "Xuxa - O Documentário" (2023), sobretudo no que diz respeito aos padrões de beleza endossados por Xuxa, na época de seu auge na TV. Foto: Blad Meneghel

Em um recente destaque publicado na terça-feira (15), o renomado jornal americano The New York Times trouxe Xuxa à luz.

Após as controvérsias e tópicos sensíveis revelados pela artista em seu documentário, “Xuxa – O Documentário“, disponível no Globoplay, a publicação reconhece a influência sem igual que ela exercia sobre a audiência infantil durante o auge de seu sucesso. Além disso, a matéria questiona os padrões de beleza encarnados pela “Rainha dos Baixinhos” naquela época.

Leia também: Deputados propõe projeto ‘lei Larissa Manoela’ para proteger crianças

“Muitos, incluindo a própria Xuxa, ponderam se o ideal limitado que ela representava era uma influência positiva no Brasil, uma nação predominantemente habitada por pessoas de cor, envolvida em um debate nacional sobre padrões de beleza e apagamento cultural”, a publicação elabora.

O controverso e revelador documentário de Xuxa no Globoplay aborda imediatamente os padrões de beleza prevalentes nos anos 80 e 90, um período em que ela estava no auge de sua fama como um dos maiores fenômenos da TV.

A própria apresentadora revelou que a busca por novas ‘Paquitas‘, que eram as assistentes de palco de seu programa de TV, envolvia a seleção de meninas brancas, loiras e de olhos claros – aquelas que refletissem a imagem da própria Xuxa. “Naquela época, eu não via isso como errado. Hoje, sabemos que é errado, não é?”, ela comentou em um dos trechos do episódio.

“Durante seu reinado, que coincidiu com a expansão econômica do Brasil, as taxas de cirurgia plástica dispararam para se tornar algumas das mais altas do mundo. Muitas pessoas passaram por esses procedimentos ainda na adolescência. No entanto, o Brasil e seus guardiões da cultura agora estão abraçando novas definições de beleza, celebrando cabelos cacheados e crespos, corpos curvilíneos e tons de pele mais escuros”, enfatizou o The New York Times.

Enquanto a sociedade reflete sobre percepções passadas de beleza, o documentário de Xuxa despertou conversas cruciais sobre padrões e sua evolução, tornando-a alvo de atenção e introspecção internacional. Essa análise de seu impacto em ideais culturais ocorre em um momento em que o Brasil está reescrevendo sua narrativa de beleza para ser mais inclusiva e representativa de sua população diversificada.

Daniel Vicente
Daniel Vicente
Sou um entusiasta da informação, natural de Brasília. Atualmente, mergulho nos estudos de Ciências Políticas. Aqui, você encontrará análises aprofundadas sobre política, economia e assuntos globais. Vamos explorar juntos o vasto universo do conhecimento!