STF forma maioria para tornar Fátima de Tubarão ré por atos golpistas de 8 de janeiro

TAG Notícias

Na última sexta-feira (18), o Supremo Tribunal Federal (STF) tomou uma decisão crucial ao formar uma maioria de votos a favor da denúncia contra Maria de Fátima Mendonça Jacinto Souza, de 67 anos.

Ela enfrenta acusações de participação nos eventos golpistas ocorridos em 8 de janeiro. Popularmente conhecida como “Fátima de Tubarão,” em referência à cidade no Sul de Santa Catarina onde reside, Maria de Fátima foi detida durante a operação Lesa Pátria.

Leia também: Alexandre de Moraes autoriza quebra dos sigilos bancário e fiscal de Jair Bolsonaro e de Michelle

Os fundamentos que embasaram a acusação estão ligados a vídeos que a mostram dentro do Palácio do Planalto durante o episódio de invasão.

Tais imagens ganharam ampla circulação nas redes sociais, e em um dos trechos, quando interpelada por um colega apoiador do então presidente Bolsonaro, ela se expressa da seguinte forma:

“É hora de guerra, estamos em guerra agora. Vamos confrontar Xandão agora”, fazendo uma referência ao Ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes.

Fátima Tubarão vira ré sobre atos golpistas de 8 de janeiro (Foto: Reprodução)
Fátima Tubarão vira ré sobre atos golpistas de 8 de janeiro (Foto: Reprodução)

DEFESA DE FÁTIMA TUBARÃO

Além das mencionadas referências ao Ministro, Maria de Fátima declara em outro vídeo que “estava causando estragos. A defesa da Fátima foi procurada pelo portal G1 que não conseguiu retorno.

As ações ilícitas sob investigação abrangem uma série de crimes, incluindo associação criminosa, atentado violento ao Estado Democrático de Direito, tentativa de golpe de estado, ameaças, perseguição, incitação à prática de crimes, vandalismo com dano material e dano qualificado, bem como a deterioração de patrimônio considerado de valor histórico.

No caso específico de Maria de Fátima, a Procuradoria-Geral da República destaca em sua acusação que o próprio celular da acusada contém imagens que evidenciam seu envolvimento nos atos em questão.

Leia também: Na CPI, hacker confessa que Bolsonaro lhe assegurou de indulto e entrega ex-presidente

“Ficou claro que, apesar de a função ‘mensagem temporária’ estar ativada no aplicativo WhatsApp do celular da acusada, o que limita o acesso ao conteúdo das mensagens relacionadas aos eventos de 08/01/2023, foram identificados, na galeria de fotos e vídeos do aparelho, elementos que confirmam a presença da acusada em Brasília/DF nos dias 07/01/2023 e 08/01/2023, permitindo classificá-la como executora material dos atos em questão.”

A Procuradoria também destaca que “um vídeo que circulou nas plataformas de mídia social identificou a acusada como ‘Fátima’, moradora de Tubarão, que estava presente para ‘causar estragos’. A própria acusada, por sua vez, exultou e celebrou, exclamando: ‘É guerra’. Ela ainda afirma ter defecado no banheiro da Suprema Corte, causando ‘sujeira’, e conclui o vídeo clamando por ação direta contra ‘Xandão'”.

Daniel Vicente
Daniel Vicente

Sou um entusiasta da informação, natural de Brasília. Atualmente, mergulho nos estudos de Ciências Políticas. Aqui, você encontrará análises aprofundadas sobre política, economia e assuntos globais. Vamos explorar juntos o vasto universo do conhecimento!

Artigos: 1752