Alexandre de Moraes autoriza quebra dos sigilos bancário e fiscal de Jair Bolsonaro e de Michelle

TAG Notícias

Nesta quinta-feira (17), o Ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), emitiu uma ordem para a quebra dos sigilos bancário e fiscal do ex-presidente Jair Bolsonaro e da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro.

No decorrer do dia, Cezar Bittencourt, advogado de defesa de Mauro Cid, antigo ajudante de ordens de Bolsonaro, fez uma declaração surpreendente. Ele afirmou que seu cliente está disposto a admitir que comercializou joias provenientes da Presidência, seguindo as orientações de Bolsonaro. Além disso, Cid revelará que transferiu os recursos resultantes da venda diretamente para o ex-presidente.

Cid, que se encontra detido desde maio, ocupava uma posição de confiança junto a Bolsonaro ao longo de seu mandato na Presidência.

As joias em questão foram presentes recebidos por Bolsonaro durante o exercício de seu mandato. Conforme determinado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), tais presentes de natureza oficial devem ser incorporados ao patrimônio da União, sendo vedada sua comercialização como bens pessoais.

No mesmo dia, Alexandre de Moraes também autorizou uma demanda de cooperação internacional da Polícia Federal (PF). A solicitação visa a obtenção da quebra do sigilo bancário das contas dos envolvidos no caso das joias oferecidas pela Arábia Saudita, durante um evento na Flórida, Estados Unidos.

Investigações sobre o Caso das Joias Avançam

As investigações conduzidas pela Polícia Federal revelam que as joias e os presentes concedidos a Jair Bolsonaro enquanto ocupava o cargo de presidente foram negociados nos Estados Unidos a partir de junho de 2022.

Durante esse mês, a equipe de Mauro Cid requisitou ao Gabinete de Documentação Histórica a relação dos relógios presenteados à Presidência até aquele ponto do mandato.

Em 2 de junho, outro ajudante de ordens obteve uma lista detalhada de 37 itens, incluindo informações dos fabricantes, conforme solicitado por Cid.

Apenas quatro dias após, Cid retirou do acervo uma série de joias que incluía um relógio Rolex de ouro branco, um anel, abotoaduras e um rosário islâmico. Estes presentes haviam sido oferecidos a Bolsonaro durante uma viagem oficial à Arábia Saudita em outubro de 2019.

Em 8 de junho do mesmo ano, Bolsonaro e Cid viajaram aos Estados Unidos para participar da Cúpula das Américas em Los Angeles. Segundo as autoridades policiais, Mauro Cid levou consigo o conjunto de joias durante o voo oficial da Força Aérea Brasileira (FAB).

Os investigadores afirmam que Cid não retornou ao Brasil junto com a comitiva presidencial, ao invés disso, levou as joias para a residência de seu pai, Mauro Cesar Lourena Cid, que ocupava um cargo no escritório da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) em Miami desde 2019.

Em 13 de junho, Mauro Cid viajou para a Pensilvânia para negociar a venda de um relógio Rolex de ouro branco e outro da marca Patek Philippe.

A PF rastreou um comprovante de depósito no valor de US$ 68 mil, correspondentes a R$ 332 mil, na data da venda, com base na análise dos dados armazenados no celular de Mauro Cid.

Um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), encaminhado à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Atos Golpistas e obtido pelo portal g1, destacou movimentações financeiras consideradas atípicas nas contas de Lourena Cid. O relatório ressaltou que, entre fevereiro de 2022 e maio de 2023, foram movimentados quase R$ 4 milhões, incluindo valores recebidos e enviados.

Novos Presentes Oficiais Despacham para o Exterior

Segundo a PF, um novo conjunto de presentes oficiais deixou o Brasil em dezembro, após o término do mandato de Bolsonaro. A mala contendo esses presentes foi transportada no avião presidencial durante a viagem de Bolsonaro aos Estados Unidos.

Mensagens obtidas do celular de Cid indicam que ele carregava uma mala específica, destinada à casa de seu pai em Miami.

De acordo com a PF, essa mala continha duas esculturas douradas: uma representando uma árvore e outra um barco.

A escultura da árvore é similar àquela recebida por Jair Bolsonaro em uma viagem ao Bahrein em novembro de 2021.

Em 4 de janeiro de 2023, quando Lourena Cid já estava com a mala, seu filho Mauro Cid lhe pediu para que tirasse fotos dos presentes.

A Polícia Federal frisou que, possivelmente durante o mesmo voo de dezembro, Mauro Cid levou consigo o chamado “kit rose” para os Estados Unidos. Esse conjunto de itens masculinos da marca Chopard foi originalmente presenteado a Bento Albuquerque, então ministro de Minas e Energia, durante uma viagem à Arábia Saudita.

Sarah Oliveira
Sarah Oliveira

Uma amante das palavras em uma jornada incessante de descoberta. Originária de São Paulo, encontro nas nuances da linguagem minha paixão. Com formação em Comunicação, tenho o prazer de guiar você pelos intrincados caminhos das notícias, oferecendo uma perspectiva única sobre o que acontece no Brasil e no mundo.

Artigos: 2105