Logo
Virou notícia, virou Tag!
CRISE

Com dívida de R$ 350 milhões, Tok&Stok volta a entregar móveis em 24h para superar crise

Para tentar superar crise financeira, Tok&Stok volta a entregar móveis em 24h que sempre foi o seu diferencial

Facebook
Twitter
LinkedIn
Tok&Stok é despejada a mando da justiça (Foto: Reprodução / Tag Notícias)
Tok&Stok é despejada a mando da justiça (Foto: Reprodução / Tag Notícias)

A Tok&Stok anunciou no último dia 25 a entrega de sofás, poltronas e pufes em até 24 horas para a capital e a região metropolitana de São Paulo. Essa iniciativa faz parte do processo de reestruturação financeira da empresa, que enfrenta uma dívida estimada de R$ 350 milhões.

O objetivo é retomar o serviço de entrega rápida oferecido pela companhia entre 2014 e 2017. Todas as vendas de sofás, poltronas e pufes realizadas de segunda a sexta-feira até às 20h serão separadas, embarcadas e distribuídas para entrepostos na cidade de São Paulo até as 22h.

Leia também: Globo abre inscrições para o programa Jovem Aprendiz 2023

O diretor executivo de Operações, Luciano Escobar, explica que a operação de cross-docking para os veículos de entrega é realizada durante a madrugada, e as entregas aos clientes ocorrem ao longo do dia.

A expectativa é que as vendas de sofás, poltronas e pufes aumentem em 20% nos próximos meses com a implementação desse serviço. A Tok&Stok tem planos de expandir a entrega rápida para o Rio de Janeiro até o final do ano, e também pretende incluir outros produtos que não necessitam de montagem na oferta de entrega rápida nos próximos meses.

A CRISE FINANCEIRA

A maior varejista de móveis do Brasil tem enfrentado dificuldades financeiras nos últimos anos, fechando lojas em seis estados no primeiro semestre e realizando liquidações para reduzir o estoque das unidades. Atualmente, a Tok&Stok possui 50 lojas em 21 estados e um centro de distribuição em Extrema, Minas Gerais.

O retorno da entrega rápida ocorre após um aporte de 100 milhões de reais realizado no mês anterior. Os recursos foram disponibilizados pelos dois sócios do negócio, o fundo Carlyle, que adquiriu 60% da varejista em 2012 por R$ 700 milhões, e a família Dubrule, fundadora da rede em 1978.

Tok&Stok volta a demitir funcionários e pode fechar 17 lojas
Tok&Stok volta a demitir funcionários e pode fechar 17 lojas

Esse aporte tem como objetivo fortalecer o caixa da empresa e permite adiar os pagamentos aos bancos nos próximos dois anos, possibilitando que a operação seja priorizada novamente. A Tok&Stok está focada em resgatar os padrões históricos de desempenho em diversas áreas de gestão e processos, e a entrega rápida é uma das iniciativas que reflete o novo momento da empresa, de acordo com o diretor executivo.

Daniel Vicente
Daniel Vicente
Sou um entusiasta da informação, natural de Brasília. Atualmente, mergulho nos estudos de Ciências Políticas. Aqui, você encontrará análises aprofundadas sobre política, economia e assuntos globais. Vamos explorar juntos o vasto universo do conhecimento!