Logo
Virou notícia, virou Tag!

Chuva de meteoros cai em Patos de Minas e câmeras gravam bolas de fogo rasgando o céu

Chuva de Meteoros ilumina os céus brasileiros com espetáculo deslumbrante

Facebook
Twitter
LinkedIn
Chuva de meteoros em Minas Gerais
Chuva de meteoros em Minas Gerais (Foto: Reprodução / Tag Notícias)

Durante o fim de semana, o Brasil teve o privilégio de testemunhar um espetáculo natural de tirar o fôlego, à medida que a chuva de meteoros Perseidas atingiu o pico de visibilidade.

No sábado (12) e domingo (13), o céu noturno foi adornado com até 100 meteoros por hora, pintando uma imagem hipnotizante de estrelas cadentes. O fenômeno, que teve início no início deste mês, continuará a iluminar os céus até o dia 24 deste mês, embora com intensidade ligeiramente diminuída.

Leia também: Apagão foi ´evento de grande porte´ diz diretor da Aneel

Inúmeras bolas de fogo brilhantes cruzaram os céus, cativando observadores em toda a região. O espetáculo celestial foi especialmente pronunciado em Patos de Minas, onde câmeras instaladas pelo Observatório IDS capturaram os meteoros percorrendo o firmamento.

Os vídeos impressionantes foram meticulosamente capturados pelo Observatório IDS, situado no bairro Jardim Europa de Patos de Minas, MG. Durante o auge da chuva de meteoros, as câmeras do observatório conseguiram registrar um impressionante total de mais de 300 meteoros, criando uma galeria de visuais belos e inspiradores.

Sob a orientação de Ivan Soares, o Observatório IDS opera um conjunto de 6 câmeras, trabalhando 24 horas por dia para documentar ocorrências celestiais. Ele faz parte da rede de monitoramento de meteoros BRAMON, um consórcio que implantou estrategicamente inúmeras câmeras em todo o Brasil.

Leia também: Modelo de IA é capaz de roubar senha através do barulho do teclado

As condições atmosféricas prevalecentes têm favorecido a visibilidade ótima para os observadores. A lua está progressivamente se afastando do ponto mais próximo da Terra (previsto para o dia 16), tornando o céu noturno especialmente escuro e ideal para enquadrar essa extravagância celestial.

Esses meteoros Perseidas traçam sua origem ao cometa Swift-Tuttle, que iluminou nossos céus pela última vez em 1991. Esse vagabundo celeste possui um núcleo com 26 quilômetros de extensão, mais que o dobro do tamanho do objeto astral associado ao desaparecimento dos dinossauros.

Só vai acontecer de novo em 2124

A Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (NASA) revela que o intervalo de reaparecimento do cometa abrange surpreendentes 133 anos, sugerindo seu retorno por volta do ano 2124. Enquanto os observadores entusiastas se aventuram ao ar livre para vislumbrar essa dança cósmica, seus olhos devem se voltar para a constelação de Perseu.

A chuva de meteoros deriva seu nome dessa região do céu, onde os meteoros parecem cair. Alternativamente, a constelação de Cassiopeia também pode ser um ponto de foco notável, sua forma “w” se assemelhando a uma placa de sinalização inconfundível.

Os entusiastas que buscam orientação para navegar pelo céu noturno podem recorrer a uma série de aplicativos móveis gratuitos projetados para esse propósito. Com a simples ativação da função da câmera, esses aplicativos fornecem coordenadas celestiais precisas, orientando os usuários a inclinarem seus dispositivos para cima e testemunharem o espetáculo celeste em primeira mão.

Daniel Vicente
Daniel Vicente
Sou um entusiasta da informação, natural de Brasília. Atualmente, mergulho nos estudos de Ciências Políticas. Aqui, você encontrará análises aprofundadas sobre política, economia e assuntos globais. Vamos explorar juntos o vasto universo do conhecimento!