Seu CPF pode estar cadastrado em celular de estranhos: veja como descobrir

TAG Notícias

A acessibilidade dos números de RG e CPF de indivíduos tornou-se uma preocupação comum, uma vez que tais informações frequentemente são compartilhadas em diversos estabelecimentos e cadastros cotidianos. Diante dessa realidade, golpistas têm aproveitado esses dados para ações como a vinculação de documentos a linhas telefônicas ou até mesmo a clonagem de chips.

Com o intuito de enfrentar essa situação, as empresas de telecomunicações Vivo, Algar, Claro, Sercomtel e TIM uniram forças com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) para lançar uma iniciativa que permitirá aos clientes verificar se há linhas telefônicas desconhecidas associadas aos seus CPFs.

Leia também: Lula sanciona lei que autoriza ozonioterapia, alvo de polêmica durante a pandemia

Caso a consulta revele a existência de tal vinculação, os usuários poderão solicitar o cancelamento imediato da linha, de acordo com informações fornecidas pela Anatel. É importante destacar que essa verificação é aplicável exclusivamente a linhas pré-pagas, sendo que não está contemplada a análise de linhas pós-pagas.

A Anatel deu início à primeira fase desse projeto em 2019, quando realizou a atualização cadastral junto aos titulares de linhas pré-pagas em atividade em todo o território nacional.

O procedimento de consulta é bastante simples e descomplicado. Os interessados podem acessar o site cadastropre.com.br, onde deverão inserir seus dados para dar início à pesquisa. O passo a passo é o seguinte:

  • Acesse cadastropre.com.br;
  • Na página inicial, clique na opção “Consultar”;
  • Digite seu CPF e clique novamente em “Consultar”;
  • No caso de existirem linhas pré-pagas vinculadas ao CPF, será exibida uma relação das prestadoras envolvidas; Caso não haja nenhuma linha telefônica cadastrada sob o CPF consultado, aparecerá a mensagem “Em todo território nacional, o CPF consultado não possui linha pré-paga ativa nas prestadoras participantes”;
  • As informações são atualizadas até 30 dias antes da data da consulta.

Diante de qualquer suspeita de irregularidade, o consumidor deve prontamente contatar a respectiva prestadora de serviços indicada na pesquisa, requisitando o cancelamento da linha.

Essa solicitação deverá ser atendida no prazo de 24 a 48 horas.

Sarah Oliveira
Sarah Oliveira

Uma amante das palavras em uma jornada incessante de descoberta. Originária de São Paulo, encontro nas nuances da linguagem minha paixão. Com formação em Comunicação, tenho o prazer de guiar você pelos intrincados caminhos das notícias, oferecendo uma perspectiva única sobre o que acontece no Brasil e no mundo.

Artigos: 1748