Referência em conservação marinha, Fernando de Noronha também sofre com a poluição por plástico

TAG Notícias

O arquipélago de Fernando de Noronha é um orgulho nacional. Em qualquer roda de conversa, dentro ou fora do Brasil, seu modelo de preservação natural é classificado por pesquisadores e especialistas como uma referência entre os principais santuários ecológicos do planeta. Localizado no litoral de Pernambuco, o território abriga mais de 500 espécies marinhas, algumas delas em risco de extinção, mas nem por isso suas águas estão livres das ameaças provocadas pela poluição.

Esse alerta ambiental foi identificado em estudo cooperado entre pesquisadores da Academia de Ciências da Califórnia (EUA), Universidade de São Paulo (USP), Universidade de Oxford (Inglaterra) e Universidade de Exeter (inglaterra), que constatou os efeitos da poluição plástica em várias profundidades subaquáticas nos oceanos Índico, Pacífico e Atlântico. Os cientistas analisaram 84 ecossistemas de recifes, alguns a 150 metros de profundidade, localizados em 14 países. No Brasil, além de Noronha, os cientistas avaliaram as condições do ecossistema do arquipélago de São Pedro e São Paulo, situado a cerca de mil quilômetros do litoral do Rio Grande do Norte e também reconhecido por sua exuberante fauna marinha.

Leia também: Após ser expulsa do BBB24, Wanessa Camargo rompe de vez com Dado Dolabella

Segundo o brasileiro Hudson Pinheiro, um dos coordenadores do estudo acadêmico sobre a poluição plástica dos oceanos, membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) e do Centro de Biologia Marinha da USP, cerca de 75% dos resíduos encontrados nesses ecossistemas têm origem no manejo da pesca, como cordas, redes e linhas. “Esses equipamentos, quando abandonados, descartados ou esquecidos no mar, continuam pescando e danificando os ambientes recifais, um impacto conhecido como pesca fantasma. Como esse material pode demorar centenas de anos para se decompor, compromete a saúde dos recifes de corais e coloca em risco todo o equilíbrio da vida marinha associada a esses ecossistemas”, explica Pinheiro.

Já os 25% restantes dos poluentes marinhos são provenientes de detritos gerados pela indústria de consumo, como garrafas plásticas e embalagens de alimentos. É aí que o membro da RECN considera que o modelo de preservação de Fernando de Noronha pode servir de exemplo. “A administração do arquipélago tem tentado acabar com o uso de descartáveis, coletando plásticos de uso único já no aeroporto”, lembra ele. Ainda assim, Pinheiro admite que o setor de alimentos tem muito a contribuir com o ecossistema, evitando o uso de matérias-primas prejudiciais ao meio ambiente na produção de embalagens.

Descubra o poder do CANVA com o melhor curso em vídeo, do básico ao avançado e alavanque suas redes sociais

Segundo Janaína Bumbeer, doutora em ecologia e conservação e gerente de projetos da Fundação Grupo Boticário (FGB), esse estudo é importante por trazer uma visão global da poluição marinha, evidenciando que é um problema que não tem fronteiras, atingindo inclusive regiões muito afastadas da presença humana.

“Dados surpreendentes indicam, por exemplo, que os recifes profundos são ainda mais impactados que os recifes rasos, mais próximos da fonte de poluição”, diz Janaína. “Isso tudo reforça a importância de uma mobilização global em torno da poluição do plástico nos oceanos, conforme discussão proposta pela ONU. O Brasil deve se posicionar para que um acordo ambicioso seja implementado por todos”, reforça. A Fundação Grupo Boticário contribuiu com a pesquisa acadêmica principalmente nos levantamentos de dados relacionados aos recifes mesofóticos – localizados entre 30 e 150 metros de profundidade, onde chega pouca luz – do Brasil.

Em 2023, representantes de 175 países chegaram a um pré-acordo para definir os termos de um tratado global para reduzir a poluição plástica no mundo, durante encontro na sede da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), em Paris. O texto final do projeto deve ser finalizado ao longo deste ano.

Sobre a Rede de Especialistas em Conservação da Natureza

A Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN) reúne cerca de 80 profissionais de todas as regiões do Brasil e alguns do exterior que trazem ao trabalho que desenvolvem a importância da conservação da natureza e da proteção da biodiversidade. São juristas, urbanistas, biólogos, engenheiros, ambientalistas, cientistas, professores universitários – de referência nacional e internacional – que se voluntariaram para serem porta-vozes da natureza, dando entrevistas, trazendo novas perspectivas, gerando conteúdo e enriquecendo informações de reportagens das mais diversas editorias. Criada em 2014, a Rede é uma iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza. Os pronunciamentos e artigos dos membros da Rede refletem exclusivamente a opinião dos respectivos autores.

Sobre a Fundação Grupo Boticário

Com 33 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já apoiou cerca de 1.600 iniciativas em todos os biomas no país. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas. A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.

Sarah Oliveira
Sarah Oliveira

Uma amante das palavras em uma jornada incessante de descoberta. Originária de São Paulo, encontro nas nuances da linguagem minha paixão. Com formação em Comunicação, tenho o prazer de guiar você pelos intrincados caminhos das notícias, oferecendo uma perspectiva única sobre o que acontece no Brasil e no mundo.

Artigos: 1748

Deixe um comentário