Escândalo! Vai de Bet rescinde patrocínio com Corinthians após polêmica com laranja

ACABOU!

A Vai de Bet decidiu rescindir nesta sexta-feira (7) o seu contrato de patrocínio com o Corinthians. A decisão vem na esteira da investigação de um repasse de pouco mais de R$ 1 milhão em comissão à Neoway Soluções Integradas – Edna Oliveira, a mulher que figura como dona da empresa, é apontada como laranja.

Leia também: Correios tem rombo financeiro e apresenta prejuízo de R$ 800 milhões no trimestre

Em notificação, a empresa havia concedido dez dias para que o Corinthians esclarecesse o episódio. O prazo se encerrou ontem, e as respostas do clube não foram satisfatórias. Em nota emitida na véspera do fim do prazo, o Corinthians informou que encaminhou ofício à Vai de Bet tirando dúvidas sobre “as tratativas adotadas pelo clube”, que notificou a intermediária e que vai contratar uma outra empresa para realizar de apuração autônoma.

A Vai de Bet disse que se viu obrigada a tomar a atitude e lamentou o episódio. A casa de apostas ressaltou que não poderia manter parceria com as suspeitas, que fogem à conformidade com a ética e os preceitos legais, e que exerceu a rescisão a partir de cláusulas contratuais para proteção da marca.

O caso é alvo de investigação pela Polícia Civil de São Paulo. O Blog do Juca Kfouri revelou no dia 20 de abril que a Rede Social Media Design, do empresário Alex Cassundé, repassou o valor à Neoway depois de receber a primeira parcela dos 7% de comissão pelo acordo Corinthians-Vai de Bet. A Rede Social é intermediária do acordo de patrocínio e consta do contrato.

Edna Oliveira dos Santos, dona da Neoway, vive em uma casa de nove metros quadrados, em bairro humilde de Peruíbe (SP). Ela depende de Bolsa Família para sobreviver e disse ao UOL jamais ter assinado qualquer documento referente à abertura de uma empresa.

A Neoway foi aberta com assinatura digital, com um endereço de e-mail que não existe, um endereço residencial falso para a sua fundadora. A empresa foi registrada na Avenida Paulista 171, 4º andar: o local pertence à startup Company Hero, que diz nunca ter tido qualquer negócio ou contato com Edna ou com a Neoway.

Veja a nota da Vai de Bet na íntegra:

“A VaideBet informa que exerceu nesta sexta-feira (7) a rescisão do contrato de patrocínio com o Sport Club Corinthians Paulista. Desde o início de abril a marca acompanha e solicita esclarecimentos sobre as suspeitas levantadas, tendo já realizado reuniões, comunicações formais e notificação extrajudicial. Diante das explicações apresentadas sem nenhuma resolutividade, a VaideBet lamentavelmente se vê obrigada a tomar tal atitude.

A marca avalia que não se pode manter a parceria enquanto pairar sobre o acordo qualquer suspeita em relação a condutas que fujam à conformidade com a ética e os preceitos legais. Só a dúvida, no crivo ético da marca, já é suficiente para determinar a rescisão – que foi exercida pela VaideBet suscitando cláusulas do contrato que protegem direitos da marca nessa decisão.

A VaideBet lamenta pelo fim de uma parceria que deveria ter durado no mínimo três anos e agradece, pelo carinho e pelo respeito, à imensa e apaixonada torcida do Corinthians, que diariamente sustenta a história e os valores da instituição.”

O caso:

O pagamento de comissão de R$ 25,2 milhões à empresa Rede Social Media Design é o que desencadeou todo o caso. O valor foi combinado pela intermediação dos R$ 370 milhões do patrocínio master da Vai de Bet ao Corinthians.

A Rede Social Media Design pertence a Alex Fernando André, conhecido como Alex Cassundé, que trabalhou na campanha do presidente Augusto Melo. Cassundé é parceiro do diretor de marketing do Corinthians, Sergio Moura. Sergio pediu licença do cargo.

A Rede Social Media Design repassou pouco mais de R$ 1 milhão para uma empresa laranja: a Neoway Soluções Integradas em Serviços Ltda. A Neoway está em nome de Edna Oliveira dos Santos.

Os dois pagamentos de comissão para a Rede Social foram feitos em um intervalo de três dias e à revelia do diretor financeiro do Corinthians, Rozallah Santoro, que estava fora do Parque São Jorge. As transferências foram determinadas pelo diretor administrativo, Marcelo Mariano, sob alegação de que a Rede Social havia emitido notas fiscais e pagado os impostos.

Posicionamento do Corinthians:

Em nota oficial após a divulgação da polêmica do “laranja”, o Corinthians disse que a negociação foi legal e que não se responsabiliza sobre eventuais repasses a terceiros.

“Todas as negociações, incluindo patrocínios, se deram de forma legal com empresas regularmente constituídas. O clube destaca que não guarda responsabilidade sobre eventuais repasses de valores a terceiros. Caso sejam apresentadas quaisquer provas de ilícitos, estes serão discutidos junto ao Conselho Deliberativo para providências que se fizerem necessárias.”

A Vai de Bet já havia emitido uma nota ressaltando que monitorava o caso e negando qualquer contato com outra empresa. A casa de apostas afirmou que só tratou com um intermediário, a empresa Rede Social Media Design, e que avaliava com atenção os próximos passos.

Siga a gente no Google News para se manter atualizado com as últimas notícias: Clique aqui

Daniel Vicente
Daniel Vicente

Sou um entusiasta da informação, natural de Brasília. Atualmente, mergulho nos estudos de Ciências Políticas. Aqui, você encontrará análises aprofundadas sobre política, economia e assuntos globais. Vamos explorar juntos o vasto universo do conhecimento!

Artigos: 1702

Deixe um comentário