Criminoso que espalhou fotos de Marília Mendonça apresentou documento falso ao ser preso

TAG Notícias

Durante a abordagem policial, o serralheiro Fellipe Alves apresentou um CPF falso, o que levou à sua prisão também pelo crime de uso de documento falso

Um indivíduo identificado como Fellipe Alves, de 22 anos, foi preso na última segunda-feira (17/04) pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) sob a acusação de espalhar imagens de cantores famosos mortos e promover atos de discriminação e preconceito.

A juíza substituta do Núcleo de Audiências de Custódia (NAC) considerou a conduta do autor como de extrema gravidade e reiterou a necessidade da prisão preventiva. De acordo com as autoridades, foram encontradas publicações racistas e imagens de pessoas falecidas, incluindo a cantora Marília Mendonça, Gabriel Diniz e Cristiano Araújo.

+ Criminoso que compartilhou fotos de Marília Mendonça ameaçou fazer massacre em escola

Após a audiência de custódia no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT), a magistrada acolheu o pedido de prisão preventiva feito pela Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC) da PCDF. O criminoso foi então encaminhado ao Centro de Detenção Provisória (CDP), no Complexo Penitenciário da Papuda.

Fellipe Alves mantinha um perfil no Twitter em que divulgava vídeos de acidentes trágicos, incluindo imagens de personalidades artísticas mortas. O autor ainda chegava a debochar das tragédias em postagens na rede social. Segundo as autoridades, ele espalhava imagens vazadas de laudos periciais feitos em Institutos de Medicina Legal (IML).

Entre as vítimas das postagens cruéis de Fellipe Alves estavam cantores como Gabriel Diniz, que morreu em 2019 vítima de um acidente aéreo em Sergipe. O criminoso chegou a publicar um vídeo do corpo do artista boiando em um rio e legendou: “Gabriel Diniz nadando”. Em outra postagem, o indivíduo afirmou ter fotos dos corpos de Marília Mendonça e de Cristiano Araújo, e incentivou seus seguidores a entrarem em seu grupo no Telegram para verem as imagens.

Além de promover atos de vilipêndio de cadáver, Fellipe Alves também fez posts destilando ódio contra o ex-presidente Lula. Em uma das publicações, ele afirmou que tinha um “gor3” (gosto) especial por compartilhar imagens do político. A prisão do criminoso ocorreu no âmbito da Operação Fenrir, deflagrada pela DRCC.

O caso chocou a sociedade e gerou grande repercussão nas redes sociais. Muitos internautas manifestaram sua revolta com as postagens cruéis de Fellipe Alves e exigiram que ele fosse punido com rigor. As autoridades, por sua vez, reiteraram seu compromisso em combater crimes cibernéticos e promover a justiça.

Sarah Oliveira
Sarah Oliveira

Uma amante das palavras em uma jornada incessante de descoberta. Originária de São Paulo, encontro nas nuances da linguagem minha paixão. Com formação em Comunicação, tenho o prazer de guiar você pelos intrincados caminhos das notícias, oferecendo uma perspectiva única sobre o que acontece no Brasil e no mundo.

Artigos: 2007