Logo
Virou notícia, virou Tag!

Com seca severa, Manaus encerra ano letivo em escolas ribeirinhas

A seca severa no rio Negro resultou na antecipação do término do ano letivo nas escolas ribeirinhas da região, devido às dificuldades enfrentadas por professores e alunos para chegar às instituições de ensino devido à baixa do rio.
Facebook
Twitter
LinkedIn
Seca afeta a navegação no Rio Negro e coloca Manaus em estado de emergência (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Seca afeta a navegação no Rio Negro e coloca Manaus em estado de emergência (foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A prefeitura de Manaus anunciou a antecipação do encerramento do ano letivo nas escolas ribeirinhas da região devido à seca intensa no rio Negro. Originalmente, o término do ano escolar estava programado para o próximo dia 17, mas as aulas serão encerradas já nesta quarta-feira (4) devido às condições adversas causadas pela baixa do rio.

A situação das escolas ribeirinhas é altamente influenciada pelos níveis de água dos rios, e o calendário escolar é tradicionalmente baseado no ciclo de cheia e vazante desses cursos d’água. Isso significa que o início das aulas ocorre em janeiro, com o encerramento programado para outubro.

Leia também: Eclipse solar poderá ser visto no Brasil; veja o dia e onde ele vai acontecer

Conforme anunciado pela prefeitura, nas escolas situadas ao longo do rio Amazonas, os estudantes seguirão um calendário especial, com aulas remotas. A cada quinze dias, uma equipe pedagógica avaliará a viabilidade do retorno das atividades presenciais.

Situação de Emergência

A seca extrema já afetou gravemente o Amazonas, com 23 municípios do estado declarando situação de emergência. Dos 62 municípios do Amazonas, 35 estão em estado de alerta, enquanto dois estão em situação de atenção e outros dois mantêm a normalidade. O governador do estado, Wilson Lima, decretou situação de emergência em 55 municípios amazonenses afetados pela seca.

As previsões indicam que a situação tende a se agravar em outubro, quando a seca atingirá seu ponto mais crítico. A Defesa Civil estima que até dezembro cerca de 500 mil pessoas no Amazonas serão afetadas pelos efeitos da estiagem.

O fenômeno El Niño, que eleva a temperatura das águas superficiais do oceano na região do Pacífico Equatorial, e o aquecimento do Atlântico Tropical Norte, logo acima da linha do Equador, estão entre as causas da redução significativa das chuvas na Amazônia, segundo o Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa).

O governo do Amazonas relatou a implementação de medidas de apoio às famílias afetadas nas áreas de saúde, abastecimento de água, distribuição de cestas básicas, kits de higiene pessoal, renegociação de dívidas e suporte aos produtores rurais.

Sarah Oliveira
Sarah Oliveira
Uma amante das palavras em uma jornada incessante de descoberta. Originária de São Paulo, encontro nas nuances da linguagem minha paixão. Com formação em Comunicação, tenho o prazer de guiar você pelos intrincados caminhos das notícias, oferecendo uma perspectiva única sobre o que acontece no Brasil e no mundo.