São Sebastião tem 5 novas áreas de risco e mais de mil casas interditadas

TAG Notícias

Prefeitura de São Sebastião identificou ao menos cinco novas áreas de risco

Um mês depois da tragédia no litoral de São Paulo que causou mais de 60 mortes, a Prefeitura de São Sebastião identificou cinco novas áreas de risco além de, pelo menos, mil moradias interditadas.

“Com as fortes chuvas, temos novas áreas de risco porque o relevo dos morros foi alterado, os rios e os corpos d’água tomaram novos caminhos.”, disse Felipe Augusto (PSDB), prefeito de São Sebastião.

Considerado um evento geológico histórico, foram mais de 600mm de chuva em um único dia.

A Vila Sahy, foi a região mais atingida pela tragédia nunca foi considerada uma área de risco e agora é.

“Ainda estamos identificando esses pontos. É uma situação assustadora”, continuou o prefeito.

As áreas de risco incluem casas de alto padrão construídas às margens das encostas na Baleia, por exemplo. Assim como em Camburi, que as regiões em situação de vulnerabilidade também estão localizadas próximas às encostas.

Novas áreas de risco no litoral Norte de SP (Foto: Reprodução/Pinterest)
Novas áreas de risco no litoral Norte de SP (Foto: Reprodução/Pinterest)

De acordo com o coordenador da Defesa Civil Municipal, Wagner Barroso, antes das chuvas mais de 9 mil pessoas já viviam em áreas de risco em São Sebastião. Hoje, a prefeitura não tem a atualização desses dados.

“Estamos com diferentes frentes de trabalho para entender a complexidade e ter um número exato de pessoas em risco nesse momento. Como houve uma série de escorregamentos em áreas em que nunca imaginávamos, há um novo redesenho do risco”, informou o prefeito.

+ Terremoto atinge 5 países na América Latina e deixa pelo menos 14 mortos

Ainda segundo ele, as mudanças no terreno são inesperadas, como exemplo, na região de Topolândia, no centro de São Sebastião, que tinha duas casas em situação de risco e agora já são 72.

“Estamos avaliando casa por casa para estabelecer um grau de risco mediante os processos geológicos que se instalaram. Não é uma fiscalização estrutural da moradia, é uma vistoria da possibilidade de novos deslizamentos no entorno.”, disse Wagner Barroso.

Débora Carvalho
Débora Carvalho

Uma apaixonada por histórias e uma contadora nata. Com base em Belo Horizonte, curso Jornalismo e alimento minha curiosidade incessante por notícias e cultura pop. Se você procura uma abordagem vibrante e envolvente, está no lugar certo!

Artigos: 1057