Pesquisador brasileiro faz descoberta importante sobre manuscritos mais antigos da infância de Jesus

Descoberta revolucionária: brasileiro encontra o papiro mais antigo sobre a infância de Jesus Cristo
DESCOBERTA IMPORTANTE

Os textos históricos que registraram o começo do cristianismo foram levados em massa do Oriente Médio e Egito para a Europa no fim do século 19 e começo do século 20. Entre esses documentos, escritos em línguas extintas como latim e grego antigo, alguns ainda não foram analisados. Recentemente, um papiro de cerca de 1.600 anos foi identificado como o mais antigo sobre a infância de Jesus Cristo.

Leia também: Faustão está lutando muito para sobreviver e amigo, aos prantos, pede por orações

Um dos responsáveis por essa descoberta é o brasileiro Gabriel Nocchi Macedo, professor da Universidade de Liège, na Bélgica. Natural de Porto Alegre, Nocchi Macedo se mudou para a Bélgica há 20 anos, onde se especializou em papirologia. Ele explica que seu trabalho essencialmente envolve a consulta de papiros em diversas coleções e museus. Foi assim que ele e um colega descobriram o valioso texto sobre a infância de Jesus.

A descoberta

Durante uma análise de fotos digitalizadas de papiros da Universidade de Hamburgo, Nocchi Macedo e seu colega Lajos Berkes encontraram um papiro com uma passagem sobre a vida de Jesus, escrita em grego antigo. “Por acidente, quase, por sorte”, conta Nocchi Macedo. Esse documento foi ignorado por pesquisadores por cerca de 100 anos, possivelmente por parecer um registro cotidiano sem grande importância histórica.

Pintura de Michelangelo Caravaggio mostra Jesus criança com a mãe, Maria — Foto: Reprodução
Pintura de Michelangelo Caravaggio mostra Jesus criança com a mãe, Maria — Foto: Reprodução

A história revelada

O papiro traz um trecho do Evangelho de Tomé, um texto apócrifo que narra episódios da infância de Jesus, não reconhecido pela Igreja Católica. Escrito no século 4 ou 5, ele descreve a vivificação dos pardais: Jesus, ainda criança, molda doze pardais com barro e lhes dá vida, um ato considerado seu “segundo milagre”. Essa descoberta reforça a ideia de que muitos textos do início do cristianismo foram originalmente escritos em grego, a língua da cultura na época.

Importância da descoberta

Apesar de o papiro ser pequeno, mutilado e não particularmente bonito, Nocchi Macedo destaca a importância de dar atenção a esses “patinhos feios” da história. “Registros assim podem trazer muita informação e contribuir com nosso conhecimento do passado”, afirma o pesquisador brasileiro.

Siga a gente no Google News

Fique por dentro de mais descobertas incríveis e histórias fascinantes! Siga a gente no Google News e não perca nenhuma atualização.

Daniel Vicente
Daniel Vicente

Sou um entusiasta da informação, natural de Brasília. Atualmente, mergulho nos estudos de Ciências Políticas. Aqui, você encontrará análises aprofundadas sobre política, economia e assuntos globais. Vamos explorar juntos o vasto universo do conhecimento!

Artigos: 1764

Deixe um comentário