Logo
Virou notícia, virou Tag!
maus-tratos

Pastor é condenado por incentivar ‘varadas’ em crianças: “Tem de sair mancando, ou não tem graça”

Justiça condena pastor por incitar maus-tratos contra crianças em pregação em Pindamonhangaba, no interior de São Paulo

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pastor é condenado por incentivar maus-tratos a crianças (Foto: Jcomp)
Pastor é condenado por incentivar maus-tratos a crianças (Foto: Jcomp)

Em um desdobramento chocante, um pastor, com 38 anos, de Pindamonhangaba, interior de São Paulo, foi condenado pela Justiça por promover a prática de maus-tratos contra crianças.

A sentença, proveniente da Vara do Juizado Especial Cível local, resultou em quatro meses de prisão em regime aberto, convertidos em pagamento de um salário mínimo a uma entidade social pública ou privada. Uma decisão histórica que está gerando repercussões em todo o país.

Leia também: Homem é preso ao tentar beijar PM em bloco de carnaval

A denúncia, movida pelo Ministério Público de São Paulo, revelou que o pastor Leandro Rafael da Silva Cézar, ao discursar diante dos fiéis, fez uso de uma interpretação literal de um trecho bíblico para defender o castigo físico em crianças. O promotor Jaime Meira do Nascimento Junior destacou que o líder religioso, em um vídeo nas redes sociais, estabeleceu como limite para interromper as agressões o momento em que as vítimas “começassem a morrer”.

“Você tem que dar varada no seu filho, meu irmão. Depois que ele apanhou das varadas, tem que sair mancando, senão não tem graça”, foram algumas das declarações preocupantes do pastor, conforme registrado pelo Ministério Público.

A Justiça não apenas impôs a condenação, mas também determinou uma indenização de R$ 10 mil por danos morais coletivos.

A defesa do pastor, conduzida pelo advogado Filipe Moreno Ramos, anunciou a intenção de recorrer da decisão, destacando que a fala do pastor em audiência era um pedido de retratação. Ramos ressaltou a descontextualização de uma pregação extensa em oito vídeos, publicada nas redes sociais, o que, segundo ele, distorceu a mensagem original.

Em seu posicionamento, o pastor afirmou ser contra a violência e explicou que estava abordando o lado bíblico da repreensão. Admitiu o uso de expressões duras das quais se arrepende.

Fique atualizado com as últimas notícias. Siga a gente no Google News clicando aqui

Débora Carvalho
Débora Carvalho
Uma apaixonada por histórias e uma contadora nata. Com base em Belo Horizonte, curso Jornalismo e alimento minha curiosidade incessante por notícias e cultura pop. Se você procura uma abordagem vibrante e envolvente, está no lugar certo!

Deixe um comentário