Morre Francisco Dornelles, ex-governador do Rio e presidente de honra do PP

TAG Notícias

O político Francisco Dornelles faleceu nesta quarta-feira, 23, aos 88 anos de idade. Conhecido por ter sido ex-governador do Rio de Janeiro, ex-ministro e ex-senador, Dornelles também ocupava o cargo de presidente de honra do Partido Progressistas (PP), que divulgou a notícia do falecimento por meio de uma nota.

“Com um profundo vazio na política brasileira e nos corações de todos os filiados, o Progressistas expressa suas condolências à família. Francisco Dornelles, cujas ações estão registradas em uma biografia honrada e ilibada, pelas infindáveis contribuições ao país e ao Rio de Janeiro, transita hoje da vida para a imortalidade”, afirma um trecho do comunicado.

Leia também: Bolsonaro proíbe Marta Suplicy como vice de Ricardo Nunes em São Paulo

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PL), se manifestou nas redes sociais sobre o falecimento. Ele destacou que hoje é um dia triste para a política e para o país.

“Dornelles nos deixa um legado precioso marcado pela capacidade de diálogo e pela luta incansável pela democracia. Expresso minha profunda tristeza à família do ex-governador e presidente de honra do Partido Progressistas (PP), que viverá para sempre na memória dos brasileiros”, escreveu. Castro decretou um luto de três dias em homenagem a Dornelles.

Embora tenha construído sua carreira política no Rio de Janeiro, Dornelles nasceu em Belo Horizonte. Era sobrinho de Tancredo Neves e de Ernesto Dornelles, ex-governador do Rio Grande do Sul.

Ele atuou como secretário da Receita Federal no governo João Figueiredo, foi ministro da Fazenda durante a gestão de Sarney e, no primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso, ocupou o cargo de ministro da Indústria, Comércio e Turismo.

No segundo mandato de FHC, Dornelles assumiu o Ministério do Trabalho e do Emprego. Ele também foi eleito deputado federal e senador pelo Estado do Rio de Janeiro.

Em 2018, Dornelles assumiu a posição de governador do Rio após a prisão de Pezão, de quem era vice, na sequência da operação Lava Jato. No entanto, seu tempo no cargo foi breve, pois a prisão ocorreu no final do mandato.

 

 

Sarah Oliveira
Sarah Oliveira

Uma amante das palavras em uma jornada incessante de descoberta. Originária de São Paulo, encontro nas nuances da linguagem minha paixão. Com formação em Comunicação, tenho o prazer de guiar você pelos intrincados caminhos das notícias, oferecendo uma perspectiva única sobre o que acontece no Brasil e no mundo.

Artigos: 2015