Urgente: Moraes rejeita pedido do PL e ainda multa partido em R$ 22 milhões por argumentos mentirosos

Alexandre de Moraes rejeitou o pedido do PL sobre anulação das urnas e ainda multou o partido em 22 milhões de reais
TAG Notícias

O presidente do TSE diz que o PL usou de má fé

Na noite desta quarta-feira (23), Alexandre de Moraes rejeitou o pedido do PL sobre a verificação das urnas eletrônicas e ainda determinou que o partido do presidente derrotado, Jair Bolsonaro, pague uma multa de R$ 22,9 milhões por litigância de má-fé.

O presidente do TSE também determinou o bloqueio imediato e a suspensão dos fundos partidários da coligação de Bolsonaro até o pagamento da multa, assim como a instauração de um processo administrativo.

+ Urgente: em representação ao TSE, PL diz que Bolsonaro teve 51% dos votos no 2º turno

“Eventual desvio de finalidade na utilização da estrutura partidária, inclusive do Fundo Partidário, em especial no que se refere às condutas de Valdemar Costa Neto e Carlos Rocha” — autor do estudo do Instituto Voto Legal.

Segundo Moraes, “a total má-fé da requerente em seu esdrúxulo e ilícito pedido, ostensivamente atentatório ao Estado Democrático de Direito e realizado de maneira inconsequente com a finalidade de incentivar movimentos criminosos e antidemocráticos que, inclusive, com graves ameaças e violência vem obstruindo diversas rodovias e vias públicas em todo o Brasil, ficou comprovada, tanto pela negativa em aditar-se a petição inicial, quanto pela total ausência de quaisquer indícios de irregularidades e a existência de uma narrativa totalmente fraudulenta dos fatos”.

O ministro anexa à decisão relatório técnico do TSE que afirma que as “urnas eletrônicas, de todos os modelos, são perfeitamente passíveis de plena, segura e clara identificação individual, uma a uma”“As urnas eletrônicas possuem variados mecanismos físicos e eletrônicos de identificação.”

+ Pastor Silas Malafaia surta em nome de Deus, pede anulação das urnas e ameaça: “O país vai pegar fogo”

“Como bem destacado pelo Secretário de Tecnologia de Informação do TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, ‘é descabida qualquer afirmação de que todas as urnas possuem o mesmo número ou que não possuem patrimônio que as diferencie umas das outras’, uma vez que, ‘cada urna possui um número interno identificador único que permite a identificação do equipamento em si’.”

Moraes também incluiu Valdemar e Rocha no inquérito 4874, que apura a existência de milícias digitais antidemocráticas.

Moraes recuso pedido do PL e ainda multa partido

 

 

Daniel Vicente
Daniel Vicente

Sou um entusiasta da informação, natural de Brasília. Atualmente, mergulho nos estudos de Ciências Políticas. Aqui, você encontrará análises aprofundadas sobre política, economia e assuntos globais. Vamos explorar juntos o vasto universo do conhecimento!

Artigos: 1715