Logo
Virou notícia, virou Tag!

Hacker é condenado a 20 anos de prisão por vazar conversas de autoridades da Lava Jato

O hacker Walter Delgatti Neto foi condenado a 20 anos e 1 mês de prisão na Operação Spoofing, que investiga vazamento de conversas de autoridades ligadas à Operação Lava Jato

Facebook
Twitter
LinkedIn
Hacker Delgatti é condenado a 20 anos de prisão (Foto: Reprodução)
Hacker Delgatti é condenado a 20 anos de prisão (Foto: Reprodução)

Walter Delgatti Neto, está atualmente detido, porém, sua prisão está relacionada a uma investigação diferente. Acredita-se que ele tenha sido remunerado pela deputada Carla Zambelli (PL-SP) para invadir sistemas eletrônicos do poder Judiciário.

O juiz responsável pelo caso da operação Spoofing, Ricardo Augusto Soares Leites, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, afirmou que foram confirmados diversos casos de autoridades que foram alvo de invasões cibernéticas.

O magistrado ressaltou que “a extensão das vítimas é vasta e poderia ter resultado em inúmeras oportunidades de extorsão”.

Leia também: Novo imposto sindical de Lula pode ser 3 vezes maior que o extinto em 2017

Além disso, destacou que Delgatti chegou a propor vender o material obtido ilegalmente para a imprensa por R$ 200 mil.

Juntamente com Delgatti, outras pessoas envolvidas também foram condenadas:

  • Gustavo Henrique Elias Santos: 13 anos e 9 meses de prisão
  • Thiago Eliezer Martins Santos: 18 anos e 11 meses de prisão
  • Suelen Priscila De Oliveira: 6 anos de prisão
  • Danilo Cristiano Marques: 10 anos e 5 meses de prisão

O juiz enfatizou que a liderança de Walter Delgatti na organização criminosa é “inequívoca” e que ele se aproveitou das capacidades individuais dos demais envolvidos para garantir o êxito das atividades ilegais.

“Utilizando-se de facilidades que cada um dos denunciados poderia lhe proporcionar, situação quecontribuiu para o sucesso da atividade criminosa”

A operação Spoofing foi iniciada em 2019 com o objetivo de investigar a invasão e a interceptação de mensagens privadas do então ministro Sérgio Moro e outras autoridades por meio do aplicativo Telegram.

Delgatti admitiu ter acessado contas de procuradores da Lava Jato e fornecido as mensagens ao site The Intercept Brasil, sem alterar o conteúdo e sem receber pagamento por isso.

Acredita-se que os hackers obtiveram acesso ao código enviado pelos servidores do Telegram aos dispositivos móveis das vítimas para abrir a versão web do aplicativo.

Cerca de mil números telefônicos foram afetados pelo mesmo método, de acordo com a Polícia Federal.

Débora Carvalho
Débora Carvalho
Uma apaixonada por histórias e uma contadora nata. Com base em Belo Horizonte, curso Jornalismo e alimento minha curiosidade incessante por notícias e cultura pop. Se você procura uma abordagem vibrante e envolvente, está no lugar certo!