Governo lança pacto para acabar com lixões até agosto de 2024

Iniciativa Nacional Busca Envolver Prefeituras e Investir em Aterros Sanitários
aterros

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prepara o lançamento de um pacto nacional com prefeitos, em julho, para erradicar os lixões no país. Com a aproximação do prazo final, estabelecido pela lei para 2 de agosto, a intenção é que os municípios substituam os lixões por aterros sanitários adequados para a disposição de resíduos sólidos.

Leia também: Celular só aos 14: movimento de mães defende infância sem smartphone

De acordo com o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), o Brasil possui atualmente 1.572 lixões e 598 aterros controlados, que embora ofereçam contenção dos rejeitos, não possuem impermeabilização do solo ou tratamento do chorume.

Esta é a terceira prorrogação do prazo original, que foi inicialmente fixado para 2014 pela Política Nacional de Resíduos Sólidos. Após adiamentos, a nova data limite foi marcada para agosto de 2024. A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, afirmou que não haverá novas alterações na lei para estender este prazo.

Para cumprir este objetivo, o governo propõe um pacto nacional com as prefeituras, comprometendo-se a fornecer recursos federais para a eliminação dos lixões. Em troca, as prefeituras concordariam em implementar ações e seguir os requisitos estipulados pelo governo. A proposta também inclui a assinatura de acordos de não persecução penal com o Ministério Público, além do financiamento para estudos de viabilidade e implementação de aterros sanitários.

Receba nossas notícias em tempo real no whatsapp

Adesão

O governo espera uma adesão massiva dos municípios, considerando os receios dos prefeitos em enfrentar processos legais a partir de 3 de agosto, caso não cumpram a legislação. Além das possíveis consequências jurídicas, os prefeitos temem o desgaste político junto ao eleitorado em um ano de eleições municipais.

A previsão é de que o programa necessite de um investimento de cerca de R$ 7 bilhões. O governo planeja que o presidente Lula publique um decreto em 2 de julho, um mês antes do prazo legal. A proposta ainda está em análise pela Casa Civil e deve ser apresentada a entidades como a Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon) e a Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente (Abrampa) para garantir segurança jurídica aos aderentes do pacto.

A falta de destinação correta de resíduos sólidos no Brasil deve-se, em parte, à escassez de investimentos municipais. O novo marco legal do saneamento exige que os municípios criem uma cobrança específica para os serviços de manejo de resíduos sólidos, mas até julho de 2021, apenas 44% das cidades haviam implementado essa taxa. Em abril deste ano, a Agência Nacional de Águas e Saneamento (ANA) revelou que apenas 438 municípios forneceram informações sobre o mecanismo de cobrança.

O governo federal também pretende atrair capital privado para os novos aterros, explorando o potencial de geração de biometano a partir dos resíduos, que pode ser utilizado na produção de energia termoelétrica.

Acompanhe as Novidades

Para ficar por dentro das últimas atualizações sobre o pacto nacional para o fim dos lixões e outras iniciativas do governo, Siga a gente no Google News. Não perca nenhuma novidade!

Sarah Oliveira
Sarah Oliveira

Uma amante das palavras em uma jornada incessante de descoberta. Originária de São Paulo, encontro nas nuances da linguagem minha paixão. Com formação em Comunicação, tenho o prazer de guiar você pelos intrincados caminhos das notícias, oferecendo uma perspectiva única sobre o que acontece no Brasil e no mundo.

Artigos: 2007

Deixe um comentário