Logo
Virou notícia, virou Tag!

Governo de SP anunciou que adotará apenas conteúdo didático digital nas escolas

Decisão controversa do governo de São Paulo elimina livros das salas de aula em favor do conteúdo digital

Facebook
Twitter
LinkedIn
Debate sobre uso de tecnologia na sala de aula ganhou novos contornos após decisão do governo de São Paulo (foto: reprodução - Tag Notícias)
Debate sobre uso de tecnologia na sala de aula ganhou novos contornos após decisão do governo de São Paulo (foto: reprodução - Tag Notícias)

A decisão recente do governo de São Paulo de fornecer apenas material didático digital aos alunos do ensino fundamental II e ensino médio tem gerado polêmica e críticas entre acadêmicos e entidades educacionais. A medida de eliminar os livros das salas de aula em prol do conteúdo informatizado é vista como inadequada e preocupante por especialistas que enfatizam a necessidade de uma abordagem híbrida, combinando o uso de recursos analógicos e digitais, com adaptações na infraestrutura das escolas e na capacitação dos docentes.

A posição dos especialistas é unânime ao defender que a formação das futuras gerações requer a coexistência de ambos os meios, e a transição para o ensino totalmente digital deve ser gradual, considerando as experiências de outros países, como o caso da Suécia, que optou pela digitalização completa, mas agora repensa essa decisão.

Leia também: Bug no sistema causa estorno indevido de compras no Nubank

O diretor executivo da ONG Todos Pela Educação, Olavo Nogueira Filho, destaca que dados e evidências indicam a importância da cautela na adoção do ensino digital exclusivo e ressalta que nenhum país fez a substituição integral de materiais impressos por digitais. Ele enfatiza que a Suécia, que havia buscado a digitalização total, agora está reconsiderando essa abordagem.

Paulo Blikstein, especialista em tecnologia para a aprendizagem e diretor do Transformative Learning Technologies Lab na Universidade de Columbia (EUA), reforça que não se trata de vilanizar a tecnologia, mas sim de adequar sua utilização à realidade educacional de forma gradual.

A falta de infraestrutura tecnológica nas escolas é um dos principais desafios apontados pelos especialistas. Durante a pandemia de Covid-19, o ensino remoto evidenciou a desigualdade entre alunos da rede pública e privada em relação ao acesso à internet e equipamentos, tornando a proposta de ensino 100% digital ainda mais problemática para os estudantes mais vulneráveis.

Além disso, o uso excessivo de telas é uma preocupação, pois pode gerar prejuízos na comunicação, no sono e no desenvolvimento cognitivo dos alunos. A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) estabelece limites de tempo para o contato com telas de acordo com a faixa etária dos estudantes, o que levanta questões sobre a superexposição à tecnologia.

Especialistas também apontam que o ensino exclusivamente digital pode ter prejuízos pedagógicos, como a redução da concentração dos alunos e a dificuldade de compreensão do conteúdo. Estudos mostram que a experiência de leitura em meio digital pode ser menos eficiente do que no formato impresso, afetando a memória e a interpretação.

Apesar dos desafios, o uso da tecnologia também possui vantagens, como a possibilidade de oferecer conteúdos mais interativos, recursos de acessibilidade para pessoas com deficiência e uma avaliação mais ágil por parte dos professores. Contudo, a abordagem híbrida e cuidadosa é defendida como a melhor estratégia para garantir uma educação de qualidade e acessível a todos.

Débora Carvalho
Débora Carvalho
Uma apaixonada por histórias e uma contadora nata. Com base em Belo Horizonte, curso Jornalismo e alimento minha curiosidade incessante por notícias e cultura pop. Se você procura uma abordagem vibrante e envolvente, está no lugar certo!