Google é autorizado pela justiça brasileira a instalar cabo de internet que liga Praia Grande aos EUA

Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) concedeu autorização ao Google para a instalação de cabos submarinos no oceano próximo a Praia Grande (SP), com o objetivo de estabelecer uma rede que se estenda até os Estados Unidos.

A gigante da tecnologia obteve a licença ambiental necessária para dar início a esse projeto, previsto para ser concluído ainda neste ano.

Leia também: Oxxo segue em ritmo acelerado no Brasil e chega a 350 unidades abertas

Praia Grande, situada no litoral de São Paulo, é um ponto crucial de aterrissagem de cabos submarinos de fibra óptica no Brasil. Esse projeto é conhecido como cabo Firmina, que se estende desde a costa leste dos Estados Unidos até Las Toninas, na Argentina, passando por Punta del Este, no Uruguai, e, finalmente, chegando à Praia Grande.

Em julho, os cabos alcançaram o Uruguai, enquanto na região costeira de Praia Grande, a fase de construção ainda está em andamento. O sistema submarino recebeu o nome de Firmina, em homenagem à escritora negra do Maranhão, Maria Firmina dos Reis, a primeira romancista mulher do Brasil, autora de “Úrsula”.

Com uma extensão de mais de 14 mil quilômetros e 12 pares de fibras ópticas, o cabo Firmina será responsável por transportar dados entre a América do Norte e a América do Sul, garantindo aos usuários acesso rápido e com baixa latência aos serviços do Google, como o mecanismo de busca, Gmail, YouTube e Google Cloud.

O Google explicou que a licença ambiental concedida diz respeito às operações do Power Feeding Equipment (PFE) para seus cabos submarinos e é necessária para o manuseio responsável do óleo diesel usado nos geradores da unidade.

Leia também: Falida, fábrica de chocolates Pan vai a leilão, mas quase nenhum objeto recebe lances

De acordo com o documento, os cabos serão instalados próximo à costa, na região do bairro Mirim, que já abriga a estação de aterrissagem de outros cabos submarinos que chegam à cidade, como o Seabras-1 da Seaborn e o Malbec da GlobeNet-Meta. A construção está sob responsabilidade da SubCom.

A licença concedida ao Google é um certificado de aprovação para tratamento de resíduos industriais (Cadri) para o gerenciamento de resíduos de interesse ambiental, especificamente, para o manuseio de 100 mil kg/ano de óleo diesel, utilizado nos geradores de energia de reserva para centros de dados e outros equipamentos industriais, incluindo estações de aterrissagem.

O cabo Firmina representa um avanço significativo, sendo o cabo mais longo do mundo capaz de funcionar com uma única fonte de energia em uma de suas pontas, caso as outras fontes de alimentação estejam temporariamente indisponíveis.

Cabos submarinos de internet nas costas brasileiras (Foto: Reprodução / Tag Notícias)
Cabos submarinos de internet nas costas brasileiras (Foto: Reprodução / Tag Notícias)

Em cabos submarinos, os dados são transportados como pulsos de luz em fibras ópticas, sendo amplificados a cada 100 quilômetros por meio de fontes de energia de alta voltagem nas estações de aterrissagem de cada país. Cabos mais curtos utilizam a energia disponível de uma única ponta, enquanto em cabos mais longos com pares de fibras mais largos, isso é mais desafiador.

O cabo Firmina supera essa limitação ao conectar a América do Norte e do Sul, sendo o mais longo da história a possuir a capacidade de funcionar com uma única fonte de energia em uma de suas pontas. Esse feito foi alcançado ao fornecer uma voltagem 20% maior para o cabo em comparação com sistemas anteriores.

Mapa de cabos submarinos de internet no mundo (Foto: Reprodução / Tag Notícias)
Mapa de cabos submarinos de internet no mundo (Foto: Reprodução / Tag Notícias)

Com a conclusão do cabo Firmina, o Google terá investido em infraestrutura que aumentará em 50% a capacidade de tráfego internacional para o Brasil.

Atualmente, o Brasil já possui várias conexões internacionais por meio de diversos cabos submarinos de diferentes proprietários, como Americas-II, EllaLink, SAC, SAm-1, AMX-1, GlobeNet, SACS, Seabras-1, Brusa, Malbec e SAIL. Além do cabo Firmina, o Google também participa do cabo Junior, que interliga cidades brasileiras.

Daniel Vicente
Daniel Vicente

Sou um entusiasta da informação, natural de Brasília. Atualmente, mergulho nos estudos de Ciências Políticas. Aqui, você encontrará análises aprofundadas sobre política, economia e assuntos globais. Vamos explorar juntos o vasto universo do conhecimento!

Artigos: 1489