Logo
Virou notícia, virou Tag!

Garoto de programa é preso após matar cliente e segurar cabeça para tentar usar cartão da vítima

Prisão de jovem acompanhante suspeito de assassinato choca Goiânia após descoberta bizarra durante tentativa de reconhecimento facial

Facebook
Twitter
LinkedIn
Garoto de programa de 22 anos mata cliente
Garoto de programa de 22 anos mata cliente (Foto: Reprodução / Tag Notícias)

Um indivíduo de 22 anos, identificado pela Polícia Civil como sendo um garoto de programa, foi detido na segunda-feira, 25 de setembro, sob a acusação de homicídio de um arquiteto que também atuava como professor universitário em Goiânia.

A descoberta desse crime ocorreu quando um funcionário bancário notou algo suspeito durante uma tentativa de verificação facial para autorizar transações financeiras por meio de um aplicativo de celular: uma mão segurava a cabeça da vítima.

Leia também: São Camilo decide não expulsar alunos de medicina envolvidos em escândalo de atos obscenos

A prisão de José Henrique foi efetuada por agentes da Delegacia Estadual de Investigação Criminal (Deic), nas proximidades da residência da vítima, localizada no Setor Oeste. Quando abordado, o suspeito confessou o crime.

Ao adentrar o apartamento, os policiais encontraram a vítima, cuja idade foi divulgada como sendo 64 anos. O arquiteto estava enforcado no banheiro e segurava um crucifixo nas mãos.

O detido alegou que planejava retornar ao apartamento para acionar a polícia, insinuando que o homem havia cometido suicídio.

Compra em estabelecimento informal

Segundo as autoridades policiais, o crime de latrocínio (roubo seguido de morte) ocorreu durante a madrugada e, na manhã seguinte, o suspeito fez compras com os cartões da vítima em um mercado informal em Campinas. Os itens adquiridos e os bens subtraídos da residência do arquiteto foram recuperados na casa do acompanhante, localizada no Jardim das Esmeraldas, em Goiânia.

Garoto de programa mata cliente e forja suicídio
Garoto de programa mata cliente e forja suicídio

De acordo com a Polícia Civil, José Henrique já possuía antecedentes criminais por furto e estelionato e, portanto, forneceu um nome falso ao ser abordado. As autoridades decidiram divulgar seu nome e imagem com o objetivo de que possíveis novas vítimas possam reconhecê-lo.

“A divulgação da imagem do detido foi realizada em conformidade com a Lei nº 13.869/2019 e a Portaria nº 547/2021 da Polícia Civil, conforme determinação do delegado responsável pelo inquérito policial. Isso visa a ajudar na identificação de novas vítimas, testemunhas e na coleta de novas evidências”, afirmou a Polícia Civil.

Daniel Vicente
Daniel Vicente
Sou um entusiasta da informação, natural de Brasília. Atualmente, mergulho nos estudos de Ciências Políticas. Aqui, você encontrará análises aprofundadas sobre política, economia e assuntos globais. Vamos explorar juntos o vasto universo do conhecimento!