Ex-prefeito de cidade de MG é preso suspeito de matar esposa

O ex-prefeito da cidade de Catuji, em Minas Gerais, Fuvio Luziano Serafim, de 44 anos, foi preso suspeito de matar a esposa, a médica Juliana Pimenta Ruas El Aouar, de 39 anos, em um quarto de hotel em Colatina, no Noroeste do Espírito Santo. O casal estava hospedado no local no momento do crime.

O caso ocorreu na manhã de sábado (2). A polícia encontrou o quarto todo revirado, com sangue nas roupas de cama e a médica gravemente ferida. Ela foi socorrida por uma equipe do Corpo de Bombeiros, mas não resistiu aos ferimentos.

O marido de Juliana relatou duas versões diferentes sobre o ocorrido, enquanto o motorista do casal também deu uma versão diferente dos eventos. Ambos foram presos em flagrante.

Leia também: Preso suspeito de atirar em Mingau, baixista do Ultraje

Fuvio foi autuado por homicídio qualificado por motivo torpe e feminicídio, enquanto o motorista foi autuado por homicídio qualificado. Ambos foram encaminhados ao sistema prisional do Espírito Santo.

A investigação continua para esclarecer as circunstâncias do crime.

O médico cirurgião, ex-prefeito e ex-vereador de Teófilo Otoni, Samir Sagi El-Aouar, contou que filha era agredida pelo marido e queria se separar, mas ele não aceitava.

Médico e filha morta em quarto de hotel no ES (Foto: Redes sociais)
Médico e filha morta em quarto de hotel no ES (Foto: Redes sociais)

 

“Ele já vinha batendo nela algumas vezes, dizendo que ela tinha caído dentro de casa, todo dia um olho roxo, uma cicatriz de sete centímetros na região frontal. Tudo isso já vinha acontecendo e ela querendo sair do casamento, e ele ameaçando para ela não sair, ele não aceitava a separação”, explicou.

Samir expressou sua devastação com o ocorrido e afirmou que sua filha foi torturada até a morte. Ele também ressaltou a necessidade de se combater o feminicídio no país e disse esperar que a justiça seja feita, mantendo o marido de sua filha preso durante o processo.

“Ele programou o que ele fez. Tirou minha filha da minha vida. Amigos, parentes e conhecidos, todos nós estamos sofrendo hoje demais, pelo que ele fez. Não tem justificativa, mais um feminicídio, eu acho que o nosso país tem que acabar com essa matança de esposas, de namoradas, porque isso é um absurdo”

A morte de Juliana Ruas El-Aouar foi um caso chocante e trágico, e a família está enfrentando um momento extremamente difícil. O feminicídio é uma grave questão no Brasil e em muitos outros lugares do mundo, e é importante que as autoridades atuem para prevenir e punir esses crimes de forma eficaz.

“Eu espero que daqui pra frente, seja feita justiça principalmente, mantê-lo preso até o final dos fatos”, finalizou.

Débora Carvalho
Débora Carvalho

Uma apaixonada por histórias e uma contadora nata. Com base em Belo Horizonte, curso Jornalismo e alimento minha curiosidade incessante por notícias e cultura pop. Se você procura uma abordagem vibrante e envolvente, está no lugar certo!

Artigos: 923