Dia dos Povos Indígenas: por que é errado usar o termo ‘índio’

TAG Notícias

Pela primeira vez, o Brasil celebra neste 19 de abril o “Dia dos Povos Indígenas” – e não mais o “Dia do Índio”, como a data era conhecida até o ano passado.

Em 19 de abril, o Brasil celebra pela primeira vez o “Dia dos Povos Indígenas”, após a mudança oficializada pela Lei 14.402 em julho de 2022. Antes conhecida como o “Dia do Índio”, a data recebeu críticas ao longo dos anos por ser um termo genérico que não considera a diversidade dos povos indígenas.

Para a professora e doutora em História Social pela Universidade de São Paulo (USP), Márcia Mura, a mudança era necessária para refletir as ideias e lutas das diversas sociedades indígenas. O termo “índio” reproduz a visão do colonizador que remete à ideia eurocêntrica de que os indígenas são atrasados e iguais, desconsiderando as diferenças linguísticas e culturais.

Por outro lado, a palavra “indígena” significa “natural do lugar em que vive” e exprime que cada povo é único, independentemente de sua localização. Para o escritor indígena Daniel Munduruku, doutor em educação pela USP e pós-doutor em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos, a palavra “índio” “esconde toda a diversidade dos povos indígenas”.

 

Daniel Munduruku, escritor indígena, doutor em educação pela Universidade de São Paulo e pós-doutor em Linguística — Foto: Divulgação
Daniel Munduruku, escritor indígena, doutor em educação pela Universidade de São Paulo e pós-doutor em Linguística — Foto: Divulgação

 

“A palavra ‘indígena’ diz muito mais a nosso respeito do que a palavra ‘índio’. Indígena quer dizer originário, aquele que está ali antes dos outros”, explicou Munduruku, que pertence ao povo indígena de mesmo nome.

+ Lula anuncia pacote de medidas para enfrentar a violência nas escolas

Apesar da ideia de que o dia 19 de abril é um dia para celebrar os povos indígenas, Márcia Mura defende que não é de comemoração, mas de reivindicação. “Não temos o que comemorar, porque ainda precisamos reivindicar e pautar nossas lutas. Lutamos todos os dias pelo nosso território, pela nossa cultura e pelo direito de viver como vivemos, quando existe uma sociedade que está nos matando pouco a pouco”, disse Mura.

Desde a colonização do Brasil até os genocídios modernos, os povos indígenas lutam pela sobrevivência. A data marca essa luta e é uma oportunidade para chamar a atenção da sociedade e dos governos para as violações dos direitos dos povos indígenas, como o direito ao território, à cultura e à vida.

Dados do Instituto Socioambiental (ISA) indicam que a população indígena no Brasil é de aproximadamente 900 mil pessoas, distribuídas em cerca de 300 etnias. No entanto, esses povos enfrentam ameaças constantes, como a invasão de terras, a violência, a exploração ilegal de recursos naturais e o desmatamento.

Em um contexto de intensificação do discurso anti-indígena no país, a mudança do nome da data é um passo importante para a valorização e o reconhecimento dos povos indígenas e de suas lutas.

Sarah Oliveira
Sarah Oliveira

Uma amante das palavras em uma jornada incessante de descoberta. Originária de São Paulo, encontro nas nuances da linguagem minha paixão. Com formação em Comunicação, tenho o prazer de guiar você pelos intrincados caminhos das notícias, oferecendo uma perspectiva única sobre o que acontece no Brasil e no mundo.

Artigos: 1879