Deputados gastaram mais de R$ 900 mil com jatinhos em 2023

TAG Notícias

Em meio às atividades parlamentares em Brasília ao longo do primeiro semestre deste ano, deputados federais foram apontados como usuários da verba pública para cobrir viagens particulares em jatinhos e outros transportes aéreos.

Informações obtidas pelo portal Metrópoles, por meio da Câmara dos Deputados, mostram que, entre fevereiro e junho deste ano, deputados federais gastaram pelo menos R$ 916 mil de verba pública com locação ou fretamento de aeronaves.

Leia também: Janja pede para PF fazer varredura em busca de escutas no Palácio do Planalto

Essas viagens foram custeadas através da cota para o exercício da atividade parlamentar (Ceap), um benefício mensal destinado a deputados e senadores para cobrir despesas relacionadas ao exercício do mandato, como transporte, alimentação e segurança.

Apesar de terem o direito de fretar aeronaves, os parlamentares também podem realizar viagens em voos comerciais utilizando a verba da cota.

O levantamento feito pelo Metrópoles considerou notas fiscais entregues pelos parlamentares à Câmara dos Deputados e identificadas como serviço de “locação ou fretamento de aeronaves”.

Os deputados que mais gastaram nesse serviço foram Sidney Leite (PSD-AM), com R$ 157.700,00, e Átila Lins (PSD-AM), com R$ 131.560,00. Em seguida, aparecem Antônia Lúcia (Republicanos-AC) com R$ 113.250,00, Florentino Neto (PT-PI) com R$ 71.000,00, e Yuri do Paredão (PL-CE) com R$ 60.000,00.

Sidney Leite também lidera o ranking das viagens mais caras, após ter fretado uma aeronave monomotor turbo hélice, do tipo Caravan PS-CTB, para percorrer o trajeto entre Manaus e São Paulo de Olivença, em maio deste ano, ao custo de R$ 68,4 mil.

A deputada Antônia Lúcia também realizou duas viagens fretadas em março e abril deste ano, pagando R$ 62 mil, mas não há detalhes sobre o modelo da aeronave.

O deputado Yuri do Paredão ocupa o terceiro lugar na lista de maiores gastos, após alugar uma aeronave por R$ 60 mil em março, para viajar de Brasília ao Aeroporto de Iguatu, no Ceará.

Os parlamentares têm até 90 dias para apresentar a documentação que comprove os gastos, e os valores são debitados da cota mensal do deputado, que recebe reembolso referente ao uso da verba.

A cota parlamentar, criada em 2009, é um benefício mensal destinado a custear despesas típicas do exercício do mandato, como aluguel de escritório de apoio, assinatura de publicação, telefonia, passagens aéreas, combustíveis, entre outras. O valor varia de acordo com o estado pelo qual o deputado foi eleito e pode ser acumulado para o mês seguinte caso não seja utilizado.

Veja os valores atuais:

  • AC: R$ 50.426,26
  • AL: R$ 46.737,90
  • AM: R$ 49.363,92
  • AP: R$ 49.168,58
  • BA: R$ 44.804,65
  • CE: R$ 48.245,57
  • DF: R$ 36.582,46
  • ES: R$ 43.217,71
  • GO: R$ 41.300,86
  • MA: R$ 47.945,49
  • MG: R$ 41.886,51
  • MS: R$ 46.336,64
  • MT: R$ 45.221,83
  • PA: R$ 48.021,25
  • PB: R$ 47.826,36
  • PE: R$: 47.470,60
  • PI: R$ 46.765,57
  • PR: R$ 44.665,66
  • RJ: R$ 41.553,77
  • RN: R$ 48.525,79
  • RO: R$ 49.466,29
  • RR: R$ 51.406,33
  • RS: R$ 46.669,70
  • SC: R$ 45.671,58
  • SE: R$ 45.933,06
  • SP: R$ 42.837,33
  • TO: R$ 45.297,41
Sarah Oliveira
Sarah Oliveira

Uma amante das palavras em uma jornada incessante de descoberta. Originária de São Paulo, encontro nas nuances da linguagem minha paixão. Com formação em Comunicação, tenho o prazer de guiar você pelos intrincados caminhos das notícias, oferecendo uma perspectiva única sobre o que acontece no Brasil e no mundo.

Artigos: 2105