Caso Marielle: print entregou sargento que vazava informações para Ronnie Lessa

TAG Notícias

Um episódio chocante veio à tona com a divulgação de uma captura de tela de uma conversa por WhatsApp, que aponta para o possível vazamento de informações cruciais sobre o caso Marielle.

De acordo com a reportagem do portal Metrópoles, o sargento da Polícia Militar do Rio de Janeiro (PMRJ), Maurício Júnior, também conhecido como “Mauricinho”, é acusado de ter fornecido dados da investigação para os suspeitos envolvidos no assassinato da vereadora Marielle Franco, incluindo Ronnie Lessa, ex-PM apontado como o autor dos disparos.

Leia também: Ladrões invadem casa e fazem roleta-russa em assalto: “Vamos jogar um jogo”

As autoridades têm acompanhado Mauricinho de perto desde 2019, quando o Setor de Inteligência da Polícia Civil flagrou um encontro dele com Ronnie Lessa e outro policial, Pedro Bazzanella, no Bar Resenha, localizado na Barra da Tijuca (RJ). O encontro ocorreu logo após Bazzanella e Élcio de Queiroz prestarem depoimentos sobre o caso Marielle na Delegacia de Homicídios. Mauricinho esteve presente na última conversa entre eles.

Prints enviados por Mauricinho a suspeitos do caso Marielle (Foto: Reprodução - Tag Notícias)
Prints enviados por Mauricinho a suspeitos do caso Marielle (Foto: Reprodução – Tag Notícias)

Esses indícios levaram à emissão de mandados de busca e apreensão nos endereços de Mauricinho em março daquele ano, durante a Operação Lume, que resultou nas prisões de Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz, os ex-policiais acusados de executar a vereadora.

A notícia revela que Mauricinho teria tido acesso antecipado à operação policial por meio de um amigo identificado como Jomarzinho, filho de um delegado da Polícia Federal (PF). Em uma das mensagens, ele menciona: “Recebi um informe agora que vai ter operação Marielle amanhã”. De acordo com a PF, o sargento teria tirado uma captura de tela da conversa usando seu iPhone para, posteriormente, compartilhar as informações com os envolvidos no crime. Além disso, ele utilizava o aplicativo Confide, que deleta as mensagens após serem lidas, assim como faziam Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz.

Vale ressaltar que Mauricinho não apenas alertou os possíveis alvos, incluindo Ronnie Lessa, como também manteve-se distante dos dois endereços que seriam alvo dos mandados de busca.

Na última segunda-feira (24), a PF realizou busca e apreensão no apartamento de Mauricinho, situado no condomínio Viva Vier, no Recreio dos Bandeirantes, Rio de Janeiro. No mesmo dia, o ex-bombeiro Maxwell Corrêa, conhecido como “Suel”, também suspeito de envolvimento no assassinato de Marielle, foi preso durante a operação, que cumpriu um total de seis mandados de busca.

Sarah Oliveira
Sarah Oliveira

Uma amante das palavras em uma jornada incessante de descoberta. Originária de São Paulo, encontro nas nuances da linguagem minha paixão. Com formação em Comunicação, tenho o prazer de guiar você pelos intrincados caminhos das notícias, oferecendo uma perspectiva única sobre o que acontece no Brasil e no mundo.

Artigos: 1727