Bolsonaro pode ser preso por comprar votos usando o Auxílio Brasil, diz o Tribunal de Contas da União

Bolsonaro pode ser preso a qualquer momento após perder o cargo de presidente no dia 31 de dezembro
TAG Notícias

Jair Bolsonaro corre sério risco de ser preso

As chances de Jair Bolsonaro (PL), ser responsabilizado pela compra de votos usando o Auxílio Brasil, crescem cada dia mais. Ou Bolsonaro será presou ou irá se tornar inelegível, após deixar o cargo no final do ano.

Análises tanto do Tribunal de Contas da União (TCU) quanto da equipe de transição do governo Lula apontam que a inclusão de milhões de famílias formadas apenas por uma pessoa entre os beneficiários ocorreu sem a aplicação de medidas para evitar fraudes. E que o empréstimo consignado foi usado como arma por votos mesmo com os risco que ele representa para a população mais pobre.

Bolsonaro pode ser preso após perder foro

Um parecer da equipe técnica de TCU, revelado pelo jornal O Globo, apontou pagamentos indevidos na inclusão de 3,5 milhões de famílias em agosto deste ano sob o pretexto de zerar a fila mas que na verdade visavam impulsionar a campanha de Bolsonaro. O documento ainda deve ser votado pelo plenário da corte.

+ Congresso Nacional será iluminado totalmente de vermelho após autorização de Arthur Lira

Segundo o parecer, houve uma “duplicação da quantidade de famílias unipessoais” beneficiárias, p que não tem lastro na realidade. Ou seja, na prática, o mais provável de ter acontecido é que, vendo que o governo Bolsonaro deixou passar a boiadas, membros de uma família que já recebia passaram a ganhar o benefício como se morassem sozinhos.

A ex-ministra do Desenvolvimento Social Tereza Campello, integrante da equipe de transição do governo Lula, apontou, em coletiva à imprensa nesta quinta (1º), a fraude nos desembolsos do auxílio citando a explosão de famílias de uma pessoa só.

+ Suspenso por Bolsonaro, DPVAT pode voltar no governo Lula em 2023

Disse que “há fortes indícios de abuso de poder econômico e político por parte do governo, para além da incompetência e da má gestão”. De acordo com dados trazidos por Campello, 1 milhão de famílias de uma pessoa só se cadastraram no benefício no final do ano passado, outras 500 mil nos seis meses seguintes e mais um milhão às vésperas da eleição, situação que teria sido ignorada pelos sistemas de controle do Ministério da Cidadania.

A maldade de Bolsonaro com o consignado

Valendo-se da situação de desespero a que estão submetidos milhões de brasileiros pobres por suas dívidas, o governo deu a eles a possibilidade de tomar um empréstimo a ser pago com uma parte da grana destinada a compra o mínimo de comida para não passar fome.

O dinheiro que entra gera um alívio imediato. E a expectativa de Bolsonaro era que, aliviados, os mais pobres deixassem de votar em Lula e o escolhessem. No ano que vem, quando as parcelas fizerem falta no supermercado, será “cada um por si e Deus acima de todos”.

Hoje, o Auxílio está em R$ 600 e mesmo assim é insuficiente para comprar uma cesta básica em 12 das 17 capitais pesquisadas mensalmente pelo Dieese.

A parcela máxima para o pagamento da dívida é de R$ 160. Ou seja, agora, sobraria R$ 440 para a família comer.

Daniel Vicente
Daniel Vicente

Sou um entusiasta da informação, natural de Brasília. Atualmente, mergulho nos estudos de Ciências Políticas. Aqui, você encontrará análises aprofundadas sobre política, economia e assuntos globais. Vamos explorar juntos o vasto universo do conhecimento!

Artigos: 1768