Argentinos são resgatados de trabalho análogo à escravidão no Rio Grande do Sul

TAG Notícias

Trabalhadores atuavam em propriedade rural, no corte de eucaliptos. Responsável foi preso.

Quatro trabalhadores argentinos foram resgatados de condições de trabalho análogas à escravidão em Nova Petrópolis, na Serra do Rio Grande do Sul, neste sábado (1º). Entre eles estava um adolescente de 14 anos, que trabalhava com o pai, em uma propriedade rural, cortando eucaliptos para produção de lenha. O responsável pelos trabalhadores foi preso.

A descoberta do caso começou quando dois homens procuraram o Batalhão de Polícia Militar em Bom Princípio (RS), cerca de 40 quilômetros de Nova Petrópolis, após serem abandonados pelos empregadores.

 

+ Celular explode após homem arremessar aparelho na testa da namorada

 

Resumo da Notícia

  • Quatro trabalhadores argentinos foram resgatados de condições de trabalho análogas à escravidão em Nova Petrópolis, RS
  • Eles trabalhavam em uma propriedade rural cortando eucaliptos para produção de lenha
  • Um adolescente de 14 anos estava entre os trabalhadores, acompanhado pelo pai
  • Dois homens procuraram o Batalhão de Polícia Militar em Bom Princípio após serem abandonados pelos empregadores
  • Os trabalhadores relataram que nunca receberam salário pelo trabalho e viviam em condições precárias
  • Os trabalhadores são do Norte da Argentina e entraram ilegalmente no Brasil
  • O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) está em contato com o governo da Argentina para viabilizar o retorno dos trabalhadores
  • Um homem responsável pelas atividades foi preso em flagrante por redução à condição análoga à de escravo
  • Os trabalhadores estão em Caxias do Sul e receberão assistência do MTE para receber os pagamentos devidos pelo trabalho executado na região.

 

Os quatro trabalhadores argentinos foram atraídos para o Brasil para trabalhar em condições precárias e ilegalmente. De acordo com Vanius Corte, gerente do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) da Serra, eles relataram que seriam pagos apenas no final do serviço, mas nunca receberam salário pela função de lenhador. Além disso, as condições de vida e trabalho eram completamente inadequadas. Eles viviam em uma barraca de lona, sem acesso a água potável, banheiro ou cozinha.

A situação degradante foi descoberta pelas autoridades e os trabalhadores foram resgatados. Atualmente, estão alojados em um abrigo fornecido pela Fundação de Assistência Social (FAS) em Caxias do Sul, onde aguardam o auxílio do MTE para receberem os pagamentos devidos pelo trabalho executado na região.

Um homem responsável pelas atividades foi preso em flagrante por redução à condição análoga à de escravo. Ele é a pessoa contratada pelo dono da propriedade para providenciar o corte das árvores e também responsável pela contratação da mão de obra. Após a resolução da situação dos trabalhadores, serão feitos os autos de infração devidos por manter o trabalhador nessa condição, segundo afirmações de Vanius Corte.

Sarah Oliveira
Sarah Oliveira

Uma amante das palavras em uma jornada incessante de descoberta. Originária de São Paulo, encontro nas nuances da linguagem minha paixão. Com formação em Comunicação, tenho o prazer de guiar você pelos intrincados caminhos das notícias, oferecendo uma perspectiva única sobre o que acontece no Brasil e no mundo.

Artigos: 2075